Hoje

by matheuslopers

Eu tenho essa mania de não saber quem sou
De não saber como me comportar
De não saber se devo sorrir ou acenar
Tenho a indecisão como queimadura na minha pele
Mas culpo minha ascendência em gêmeos por todos os erros
Esse é meu jeito de saber que tenho iguais
Meu jeito de me eximir das acusações que podem vir.
Eu, nesse leito de confusão e paz, tenho medo da felicidade
Não gosto de conformismo e detesto insegurança
Não sei se sou azul, preto ou cinza
Se sou estrela ou planta
Se mato ou gozo
Se o agora é a única coisa que tenho ou amanhã sempre virá
Eu não sei e isso me amedronta.
Eu que sou filho da minúscula lua
Sonhando em ser luz da sabedoria
Vivendo em um oceano profundo de autossabotagem.
É nadando pelo silêncio que consigo enxergar
É rasgando meu peito que descubro minha cor
Só quem foi cego sabe o que é o amor.
Foi esvaziando tudo de mim que encontrei o eu.