Emocionismo

Minha percepção exagerada sobre as emoções e o universo.

Ascendente em gêmeos

Acordei meio sei lá
Sentindo-me meio sei não
Alguma coisa faltando aqui
Alguma coisa fora do lugar ali
Sem qualquer plano pra o amanhã
Aquela sensação de vazio
Que fica quando você não estar
Ou a fome chega.
Eu te peço que não se vá
Não ache outro afago para te completar
Outro sorriso pra te alegrar
Outro chamego pra chamar de seu
Eu não tenho dinheiro, mas tenho amor em meu peito.
Eu peço que não se vá
Não se perca por essa noite viril
Cheia de plastico bolha
E pessoas azul anil
O que lhe ofereço é sincero
E ultrapassa esses versos.
Não se vá.
Não se vá.
Mas como evitar a fuga dum coração alheio?
Como impedir o bicho de caçar?
Tenho medo que no final dessa jornada
O canceriano volte para suas lágrimas
E a alegria em outro afago festejar.
Chora não
Chora sim
Deixa teu pranto fluir
Deita em meu colo
E faz morada aqui.
Perdoa o medo
É o ascendente em gêmeos.
xxx
Talvez não seja nada
Talvez seja alguma coisa
Talvez seja saudades
Talvez seja o teu cheio em minha camisa
O teu beijo no meu umbigo
Talvez seja seu equalizar de madrugada
E só agora acolhe meu desespero
E perdoa os meus gêmeos.
Final torto também é fim.
Nosso começo aqui.

O que dizer quando você não pode olhar?

Não venho dizer que será uma caminhada fácil
Muito menos amedrontar sobre um possível futuro
Haverá pedregulhos, tristezas, emocionismos, sorrisos, olhares, cobertores e amor.
Amor, paixão e gostar no singular.
Tento encontrar na língua o que preciso te dizer
O que está preso em minha garganta 
E nenhum copo com água faz descer
Encontrar no universo, nos astros
Nos versos de Cassia Eller
Ou no mundo transcendental do Radiohead
Mas não adianta
Tudo que sinto por você já te foi dito
Nos livros, músicas ou em promessas passadas lhe ditas em vão.

Entrego-te esses versos e meu silêncio, 
Pois neles tudo que sinto se torna
Absoluto.

Abre tuas entranhas, deixa o emocionista entrar
Quero morar em você.

Destoar: Raul Seixas

Um branco, certa vez, me disse que a paz só encontraria em Jesus Cristo
Hoje eu não sei se existo, sobrevivo ou danço valsa com os meus inimigos
E alguns chamo de amigos.
Não sei se transo com garotos, sapos ou esquisitos 
Tenho vontade de dissecar tuas entranhas e gozar a tua vida.

Um padre, certa vez, num grito no meu trabalho, me disse que eu era herege
Que os céus não me pertencem
E que o conhecimento que tenho é presença do inimigo na minha essência
Enquanto ele falava, eu sorria e concordava, contudo só pensava transar com ele sob aquelas bíblias.

Você deve pensar que estou possuído por um demônio
Um guardião selvagem personificado no vermelho 
Deve pensar que é fogo no rabo
(e talvez seja, não nego)
Isso é um texto de transição
É a saída do emocionismo e a entrada do paganismo
Ou bestaismo, budismo e até mesmo o satanismo. 
Isso é o reflexo de um homem de quase vinte anos vivendo nesse sociedade de “ismos”.
Filho da puta sou eu e doente é você, filho de deus.

*Devaneios ao som de Raul Seixas.

Esqueleto humano

Se eu pudesse eu gritaria
Cortaria meu constrangimento 
E voltaria ao pilar de brando
Sendo humano eu sou obrigado a errar?
Tenho algum consentimento divino?
Algum contrato mundano e sujo de lama?
Valha-me senhor, de mim mesmo.

Mas é melhor deixar para lá
Não pedir intervenção divina
E fingir risadas dos meus desacertos.
Transar qualquer menino 
E aterrar no peito alheio meu desespero
Relaxa, amanhã passa e ninguém mais lembra de você.

Não há salvação no desamor
Não há rimas na minha ferida
Não há estigmas na minha pele
A pior mágoa é a de si mesmo.

Humilhação

O próximo passo de todo intelectual é a ignorância
A presunção de conhecimento e soberba de não saber transmitir
O mundo precisa do simples
Do simples e profundo
Como o poeta que admiro sabe fazer
Mas quem sou eu para falar de saber?
Dilatar o conhecimento de outrem
Eu que não penso, mas sinto
Eu não clareio os pés, mas minto sobre os umbigos
Para meu peito não sangrar mais uma vez
E na tentativa de no breu me achar, me perdi na luz.
Eu não sei quem eu sou, só sei quem eu sinto ser.

Quem sabe um dia paro de pensar e encontre um amor avassalador
Que me rasgue a roupa, puxe o cabelo e não me fale de amor
Um gostar sem nome, mas conhecedor de minhas entranhas
Que me faça para de sonhar
Que me faça morder o travesseiro
Que me faça desejar morrer
Pois a plenitude do viver já atingi
E ninguém pode ser tão feliz.

Deve-se parar de esperar o desconhecido e fazer por si mesmo.

Mas vou acordar coberto dos pés a cabeça
Publicar qualquer asneira
E viver com esse desejo intimo de ser intimo de alguém.
Por favor, olha pra mim.

Morena

Morena
É algum feitiço no sabor de sua cor
Esse seu jeito de encenar o viver pleno
Que me faz não me importar com o ontem, às desavenças
Os pecados e crenças de perdão.
Morena
É uma graça esse seu tamanho pequeno
Acalenta meu desalento
E me dá esperanças de um dia transbordar e compartilhar meu liquido…
Você reacende a estigma animal da minha pele
E me faz doente em plena racionalidade te amar.
Morena
Deixa-me desbravar seus pelos negros
Desaguar todo liquido do teu ventre
E na mais pura morte do olhar
Saciar minha carne
Regozijar meu peito
E pela vida gemer teu nome
Morena!

Rafaela

Eu vou me afundar em você
E aprender com o amor a ser feliz só
Deixar sucumbir, cair, abrir ou lascar
Para aprender que o chão é estável
E a solidão é aproveitável com alguma reflexão,
Ou atitude sã de não pensar e Morfeu conduzir.
Mas vem cá, mergulha em mim
E esquece as mudanças de ontem
Deixa-me no teu peito, debaixo de tua saias
Logo vou esquecendo as mudanças do teu ser
Enquanto estou emergindo na solidão do ser só minha
Afogando-me em um lugar desconhecido
Pois, conheço o finito desapropriado do teu ser
Se é de amor, então deixa morrer.
Rafa(e)ela.

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.

Join 387 other followers